O PROTAGONISMO DOS JOVENS E O TURISMO EM ÁREAS RURAIS

  • Mayara Roberta Martins NEPAM/UNICAMP
Palavras-chave: Juventude Rural, Assentamentos Rurais, Turismo Sustentável, São Paulo e Santa Catarina.

Resumo

Este trabalho, analítico-descritivo, busca relatar experiências de turismo sustentável em áreas rurais por meio da questão da ação coletiva e o protagonismo da juventude. O objetivo central foi compor entendimentos sobre a participação dos jovens no turismo, sobretudo, questionando as oportunidades ofertadas aos jovens e a disposição deles em colaborar no desenvolvimento local. Para isso, serão apresentados estudos de casos distintos sobre a participação dos jovens no turismo. O primeiro contexto faz referência ao contexto do turismo e da juventude em assentamentos rurais no Estado de São Paulo. Desse modo, foram entrevistados jovens dos assentamentos: a) Ipanema (Iperó, Região Sorocaba), b) Rodeio e Água Limpa (Presidente Bernardes, Região de Presidente Prudente) e c) Sumaré I (Sumaré, Região de Campinas). Já o segundo contexto, refere-se à experiência consolidada do roteiro agroturístico conhecido como “Acolhida na Colônia”, reconhecido como destino referência de turismo rural, tendo como sede a cidade de Santa Rosa de Lima no Estado de Santa Catarina. Como conclusões gerais, este trabalho consistirá em apresentar as principais semelhanças e diferenças sobre a participação social de jovens no turismo nestes diferentes contextos e como os jovens devem ser considerados na gestão comunitária do turismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABRAMO, H.W. 1994. Cenas juvenis: punks e darks no espetáculo urbano. São Paulo: Scritta.

ABRAMOVAY, R. et al. 1998. Juventude e agricultura familiar, desafios dos novos padrões sucessórios. Brasília: UNESCO. 104 p.

ABRAMOVAY, R. 2003. “Desenvolver os territórios fortalecendo o empreendedorismo de pequeno porte”. Relatório Final. In: 1° Fórum Internacional Território, Desenvolvimento Rural e Democracia, Fortaleza.

AMMAN, Z. B. 1978. Participação Social. São Paulo: Cortez.

ANSARAH, M.G.R.(org). 2004. Turismo: segmentação de mercado. São Paulo: Futura.

BARRETO, M. 1995. Manual de iniciação ao estudo do turismo. Campinas, SP: Papirus.

BOURDIEU, P.A. 1995. A juventude é apenas uma palavra. In: Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, pp.112-121.

BRASIL. 2004. Ministério do Turismo. Diretrizes para o desenvolvimento do turismo rural no Brasil. Brasília, 43 p. Disponível em: <http://www.turismo.gov.br>. Acesso em: 20 dez. 2011.

BRUMER, A. 2007. A problemática dos jovens rurais na pós-modernidade. In: CARNEIRO, M.J; CASTRO, E.G.(Org.). Juventude rural em perspectiva. Rio de Janeiro: Mauad X. p.35-52.

BRIASSOULIS, H. 2002. Sustanaible tourism and the question of the commons. Annals of Tourism Research, v.29, n.4, pp.1065-1085.

BRUNORI, G; ROSSI, A. 2000. Synergy and coherence through collective action: Some insights from wine routes in Tuscany. Sociologia Ruralis, v 40, n.4, p.409-423.

CASTRO, E. 2007. O significado do trabalho na constituição da territorialidade dos assentados da Fazenda Ipanema, Iperó, SP. São Paulo, 2007.151 f. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana), Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2007.

CRISTOVÃO, A. 2011. Ação coletiva e turismo no espaço rural: as Rotas do Vinho e do Azeite no Douro e Trás-os-Montes, Portugal. In: SOUZA, M; ELESBÃO, I. (org.). Turismo rural: Iniciativas e Inovações.Porto Alegre: Ed.da UFRGS, p.101-141.

CRUZ, F. T. 2007. Qualidade e boas práticas de fabricação em um contexto de agroindústrias rurais de pequeno porte. 111f. Dissertação (Mestrado em Agroecossistemas) - Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

DAGNINO, E. Sociedade civil, participação e cidadania: de que estamos falando?.In:

MATO, D. (Coord.). Políticas de ciudadania y sociedad civil em tiempos de globalización.

Caracas: FACES, Universidad Central de Venezuela, 2004, p. 95-110.

DINIS, A. 2011. Para um turismo rural sustentável: empreendedorismo, estratégia de nicho e redes como factores de preservação e inovação no espaço rural. In: SOUZA, M; ELESBÃO, I (org.). Turismo Rural: iniciativas e inovações. Porto Alegre: Editora da UFRGS, p.13-65.

EAGLES, P. ; MACCOOL, S. ; HAYNES, C. 2002. Sustainable Tourism in Protected Areas: Guidelines for planning and management. Cambridge: IUCN.

FAVARETO, A. 2007. Paradigmas do desenvolvimento rural em questão. São Paulo: Ed. Iglu/Fapesp.

FEENY, DAVID, BERKES, F., MCCAY, B., E ACHESON, J. 2001. A Tragédia dos Comuns: Vinte e dois anos depois. In. Espaços e Recursos Naturais de Uso Comum. Orgs. A. C. Diegues e A.C.C. Moreira. São Paulo: NUPAUB-USP. pp. 17-42.

FERRETTI, C. J.; ZIBAS, D. M.; TARTUCE, G. 2004. Protagonismo juvenil na literatura especializada e na reforma do ensino médio. Cadernos de Pesquisa, São Luís, v. 34, n. 122, pp. 411–423.

FORTUNATO, R.A; TEIXEIRA, K.L. 2011. A gestão do conhecimento na organização do turismo rural nas encostas da Serra Geral – SC: O caso do projeto “Acolhida na Colônia”. In: VIII Seminário da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo. Balneário Camburiu – SC.

GOHN, M. G. 2005. O protagonismo da sociedade civil: movimentos sociais, ONGs e redes solidárias. São Paulo: Cortez.

GUZZATTI, T. C. 2003. O agroturismo como instrumento de desenvolvimento rural:sistematização e análise das estratégias utilizadas para a implantação de um programa de agroturismo nas encostas da serra geral catarinense.Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. p.168.

GIDDENS. 1991. As consequências da Modernidade. Ed. Unesp. São Paulo.

HALL, M. C. 2004. Planejamento Turístico: políticas, processos e relacionamentos, São Paulo: Contexto, 2ª edição.

HARDIN, G. 1968.The tragedy of the commons. Science, v.162, pp.1244-1248.

IBGE. Censo Demográfico 2010. Disponível em: <http://www.censo2010.ibge.gov.br>.

KRAUSKOPF, D. 2000. Dimensiones criticas en la participación social de las juventudes.In: BALARNDINI, S. (org.). La participación social e política de los jóvenes en el horizonte del nuevo siglo. Buenos Aires: CLASCO, 2000.

KLIKSBERG, B. 2010. Mitos sobre a juventude latino-americana. In: SEN, A; KLIKSBERG, B.(org.). As pessoas em primeiro lugar: A ética do desenvolvimento e os problemas do mundo globalizado. São Paulo: Companhia das Letras, p.212-258.

KRIPPENDORF, J. 2001. Sociologia do Turismo: para uma nova compreensão do lazer e das viagens. São Paulo, Aleph.

MARTINS e FUTEMMA. 2013. A Inserção da Juventude no Turismo no Espaço Rural e a Construção da Hospitalidade Local: O Caso do Assentamento Ipanema (Iperó-SP). Revista Turismo em Análise, v. 24, p. 601-626.

OCDE. 1994. Tourism Strategies and Rural Development, OCDE/GD. v. 94, n.49.Paris. Disponível em:<http://www.oecd.org/dataoecd/31/27/2755218.pdf>. Acesso em: 20 dez 2011.

OLSON, M. 1965. The logic of collective action. Cambridge, MA: Harvard University Press: p.186.

OSTROM, E. 1990. The governing the Commons. Cambridge: Cambridge University Press: p.280.

OSTROM, E. 1998. A Behavioral Approach to the Rational Choice Theory of Collective Action. In: American Political Science Review, v.92, n.1.

OMT. 2003. Guia de desenvolvimento do turismo sustentável. Porto Alegre: OMT.

POTEETE, A.R; OSTROM, E; JANSSEN, M. 2011. Trabalho em Parceira: ação coletiva, bens comuns e múltiplos métodos. Bettoni, R.(trad).São Paulo: Editora Senac: p.404.

RUSCHMANN, D. V. M. 2000. Gestão da capacidade de carga turístico recreativa como fator de sustentabilidade ambiental – o caso da ilha João da Cunha. In: LAGE, B. H. G., MILONE, P. C., (orgs). Turismo: teoria e prática. São Paulo: Atlas. p. 71-79.

SCHROEDER, C. 2007. The difference makers: entrepreneurial young people. In: WALZER, N. Entrepreneurship as a local development strategy. Lanham MD: Lexington Books. Cap.8, p.145-163.

SPANEVELLO, R. M. Jovens rurais do município de Nova Palma – RS: situação atual e perspectivas. 2003. Dissertação (Mestrado em Extensão Rural) – Universidade Federal de Santa Maria.

SOTTE, F . 2003. Young People, Agriculture, and Entrepreneurship: Key-Points for a Long-term Strategy. The future of Young farmers Preparatory meeting for the European Conference Rome. Ancona, Italy, p.1-24.

TEIXEIRA, V.L. 2002. Pluriatividade e agricultura familiar na região serrana do estado do Rio de Janeiro. Dissertação (Mestrado). Soropédica, CPDA/UFRRJ.

VELASQUEZ, C.S.C. 2002. Da formação de grupos à ação coletiva: uma análise com grupos de jovens do assentamento rural da Fazenda Ipanema – Iperó – SP. Piracicaba, 164p. Dissertação (Mestrado). Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo.

WEISHEIMER, N. 2004. Estudos sobre os jovens rurais do Brasil: mapeando o debate acadêmico. Brasília: Nead/MDA.

Publicado
2014-12-15
Como Citar
1.
Martins MR. O PROTAGONISMO DOS JOVENS E O TURISMO EM ÁREAS RURAIS. Juventude e Políticas Públicas [Internet]. 15º de dezembro de 2014 [citado 1º de dezembro de 2020];1(1). Disponível em: https://revistasnj.mdh.gov.br/index.php/snj/article/view/10