JOVENS BRASILEIROS EM CONECTIVIDADE CONTÍNUA: ESTUDOS E TENDÊNCIAS

  • Brasilina Passarelli
Palavras-chave: Juventude conectada., Literacias de mídia e informação., Tecnologia digital. Juventude brasileira

Resumo

O artigo apresenta breve estado da arte acerca do comportamento dos jovens brasileiros em conectividade contínua. Inicia conceituando políticas públicas e os principais modelos conceituais, além de esboçar um perfil demográfico atual da juventude brasileira. Expõe, então, os desafios do contemporâneo hiperconectado no imbricamento da internet das coisas (IoT); inteligência artificial e big data, ressaltando a importância das literacias de mídia e informação neste contexto.  A seguir são apresentados os principais resultados de diferentes estudos e pesquisas sobre a juventude brasileira conectada tais como: pesquisa #JuventudeConectadaBrasil realizada pelo NACE Escola do Futuro - USP em parceria com o IBOPE e financiados pela Fundação Telefonica VIVO; pesquisa sobre hábitos de consumo  de produtos digitais de jovens em  São Caetano do Sul - SP;  dados sobre jovens conectados apresentados pela TIC Online 2018 Jovens . O artigo contempla, ainda, informações acerca da Nova Rede Social de Jovens  mais usada no Brasil atualmente  — a chinesa TikTok. As considerações finais apresentam reflexões sobre a importância da disseminação das literacias de mídia e informação como política pública para o desenvolvimento do capital humano dos jovens brasileiros e otimismo para aprovação do decreto  Estratégia Brasileira para a Transformação Digital (E-digital) .

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANGELUCI, A. C. B.; GALPERIN, H. O consumo de conteúdo digital em lan houses por adolescentes de classes emergentes no Brasil. Revista Latinoamericana de Ciencias de la Comunicación, v. 17, p. 246-257, 2012.
BOX 1824. O sonho brasileiro: um estudo sobre o Brasil e o futuro, a partir da perspectiva do jovem de 18 a 24 anos. Disponível em: http://pesquisa.osonhobrasileiro.com.br/indexi2.php?id=148. Acesso em 17 de outubro de 2019.
BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Estratégia Brasileira de Transformação Digital E-digital. Acessível em https://www.mctic.gov.br/mctic/opencms/inovacao/paginas/politicasDigitais/estrategia_digital/_brasileira/Estrategia_Digital_Brasileira.html. Acesso em 01 dez. 2019.
BRINGUÉ, X.; SÁBADA, C.; TOLSÁ, J. La Generatión Interactiva en Iberoamérica 2010: Niños y adolescentes ante las pantallas. Madrid: Fundación Telefónica, 2011. (Colección Geraciones Interactivas - Fundación Telefónica).
CALMON, L. Radiografia das favelas brasileiras. Mundo Marketing. Disponível em: http://www.mundodomarketing.com.br/reportagens/pesquisa/29195/radiografia-das-favelas-brasileiras.html Acesso em 11 de novembro de 2019.
CASTELLS, M. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. 2013.
CASTRO, G. G.S. Screenagers: entretenimento, comunicação e consumo. In: BARBOSA, Lívia (org.). In: BARBOSA, L. Juventudades e gerações no Brasil contemporâneo. Porto Alegre: Sulina, 2012. p.61-77.
COELHO, T. E-cultura, a utopia final: inteligência artificial e humanidades. São Paulo: Iluminuras Itaú Cultural, 2019.
COGO, D. M.; LOPES, D. B. Juventude e cidadania: uso das mídias digitais na ONG Aldeia, em Fortaleza. Comunicação, Mídia e Consumo, São Paulo, v. 10, n. 27, p.13-33, mar. 2013.
COMITÊ GESTOR DA INTERNET NO BRASIL. TIC Kids Online Brasil: pesquisa sobre o uso da internet por crianças e adolescentes no Brasil. São Paulo: 2019.
DEZZUANNI, M.; MONROY-HERNANDEZ, A. "Prosuming" across Cultures: youth creating and discussing digital media across borders. Comunicar, n. 38, v. 19, 2012, p. 59-66. DOI: 10.3916/C38-2012-02-06.
EASTONE, D. A Framework for Political Analysis. Englewood Cliffs: Prentice Hall. 1965
FUNDAÇÃO TELEFÔNICA. Juventude conectada. São Paulo: Fundação Telefônica, 2014. 200 p. Disponível em: http://fundacaotelefonica.org.br/wp-content/uploads/pdfs/juventude_conectada-online.pdf. Acesso em 02 dez. 2019.
GREGORY, H. Youth take the lead: digital poetry and the next generation. English in Education, v. 47, p. 118-143, 2013. DOI: 10.1111/eie.12011.
INSTITUTO DATA FAVELA. Mapa do consumo dos moradores de favelas no Brasil. São Paulo: Instituto Data Favela, 2013.
INSTITUTO DATA FAVELA. Radiografia das favelas brasileiras. São Paulo: Instituto Data Favela, 2013.
JENKINS, H. Cultura da conexão. São Paulo: Aleph, 2009.
JENKINS, H. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2014.
JOHNSON, S. Cultura da Interface: como o computador transforma nossa maneira de criar e comunicar. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.
KERCKHOV, D. de. A Pele da Cultura. Toronto: Somerville House Books Limited, 1995. 294 p.
LASWELL, H. D . Politics: Who Gets What, When, How. Cleveland, Meridian. Books. 1936/1958.
LATOUR, B. Reassembling the social: an introduction to actor-network theory. New York: Oxford University Press, 2005.
LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.
LINDBLOM, C. E. Still Muddling, Not Yet Through, Public Administation. Review 39, p. 517-526,1979.
LINDBLOM, C. E. The Science of Muddling Through, Public Administration. Review 19, p. 78-88, 1959.
LIVINGSTONE, S. Internet literacy: a negociação dos jovens com as novas oportunidades on-line. MATRIZes, São Paulo, ECA-USP, v. 4, n.2, p.11-42, 2011.
MACHADO, M. Consumo e politização: discursos publicitários e novas formas de engajamento juvenil. Rio de Janeiro: Editora Mauad X, 2011.
MARANHÃO, A. C. K. Perspectivas de desenvolvimento e participação cidadã na era da cultura digital. MATRIZes, São Paulo, v. 7, n.1, p. 291-295, jan./jun.2013.
MARTÍN-BARBERO, J. As novas sensibilidades: entre urbanias e cidadanidas MATRIZes, São Paulo, n.2, p. 207-215, abril de 2008.
MCLUHAN, M. Os meios de comunicação como extensões do homem. Tradução de Décio Pignatari. 4º ed. São Paulo: Cultrix, 1974.
NERI, M. Juventude que conta. Brasília: IPEA, 2014. (Publicações do Seminário “Juventude e Risco: perdas e ganhos na crista da população jovem).
PASSARELLI, B, JUNQUEIRA, A. H., ANGELLUCI, A. C. B, Os nativos digitais no Brasil seus comportamentos diante das telas. MATRIZes, v.8, n.1, jan/jun, 2014.
PASSARELLI, B.; ANGELUCI, A. B. Conectividade contínua e acesso móvel à informação digital: jovens brasileiros em perspectiva. Informação e Sociedade: Estudos v. 28 n. 2, p. 197-208, 2018.
PASSARELLI, B. Literacias emergentes nas redes sociais: estado da arte e pesquisa qualitativa no Observatório da Cultura Digital. In: PASSARELLI, B.; AZEVEDO, J. (org.) Atores em rede: olhares luso-brasileiros. São Paulo: Senac São Paulo, 2010.
PASSARELLI, B.; JUNQUEIRA, A. H.; ANGELUCI, A. Os nativos digitais no Brasil e seus comportamentos diante das telas. MATRIZes, São Paulo, ECA-USP, v. 8, n. 1, jan./jun. 2014. DOI: 10.11606/issn.1982-8160.v8i1p159-178.
PASSARELLI, B.; JUNQUEIRA, A. H.; BOTELHO-FRANCISCO, R. E. Netnografia no Programa de inclusão digital AcessaSP. Comunicação e Educação (USP), v. 27, p. 13-22, 2012.
PASSARELLI, B.; JUNQUEIRA, A. H. Gerações Interativas Brasil: crianças e jovens diante das telas. São Paulo: Fundação Telefônica, 2012.
PASSARELLI, B. Mediação da informação no hibridismo contemporâneo: um breve estado da arte. Ciência da Informação, Brasília, DF, v. 43, n. 2, 2014.
PASSARELLI, B. VETRITTI, F.G.C. #ConnectedYouthBrazil research: emerging literacies in a hyperconnected society. In: PASSARELLI, B.; STRAUBHAAR, J.; CUEVAS-CERVERÓ, A. Handbook of research on comparatives approaches to the digital age revolution in Europe and the Americas. [S.l]: IGI Global, 2016. p. 171-191.
PRENSKY, M. Don’t bother me, Mom, I’m learning!: how computer and videogames are preparing your kids for 21 st century succes and how you can help!. Saint Paul, Minnesota: Paragon House, 2006.
RHEINGOLD, H. Como o online muda o offline. [Entrevista cedida a] Alexandre Matias. O Estado de São Paulo, 23 de abril de 2012.
RHEINGOLD, H. Net Smart: how to thrive online. Massachusetts. Cambridge: MIT Press, 2012.
RHEINGOLD, H. Smart Mobs: the next social revolution. New York: Basic Books, 2003.
RHEINGOLD, H. The virtual community: homesteading on the electronic frontier. Reading, MA: Addison-Wesley, 1993.
RIBEIRO, E.; MACEDO, S. Notas sobre políticas públicas de juventude no Brasil: conquistas e desafíos. Rev. Cien. Soc., Montevideo, v. 31, n. 42, p. 107-126, jun. 2018. Disponível em: http://www.scielo.edu.uy/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0797-55382018000100107&lng=es&nrm=iso. Acesso em: 06 nov. 2019.
SABINO, H. R. Impactos do Programa Bolsa Família na probreza do Brasil: análise no interstício 2003 – 2013. 2014. Trabalho de Monografia (Pós-Graduação Lato Sensu em Gestão Pública) - Universidade Candido Mendes, Brasília, 2014.
SAFATLE, V. Juventude perdeu o medo do capitalismo. Outras Palavras, 03 jul. 2012. Disponível em: https://outraspalavras.net/sem-categoria/safatle-juventude-perdeu-o-medo-do-capitalismo/. Acesso em 01 dez. 2019.
SARAVIA, E. Introdução à Teoria da Política Pública. In: SARAVIA, E, FERRAREZI, E. (org.). Políticas Públicas: coletânea. Volume 1. Brasília: ENAP, 2006.
SIMON, Herbert. Comportamento Administrativo. Rio de Janeiro: USAID. 1957.
SOUZA, C. Políticas Públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, Porto Alegre, ano 8, nº 16, jul/dez 2006, p. 20-45.
SUAIDEN, E. J.; LEITE, C. Cultura da informação: os valores na construção do conhecimento. Curitiba: CRV, 2016.
TOFLER, A. A Terceira Onda. 25ª ed. Ed. Rio de Janeiro: Record, 1980.
Publicado
2020-01-27
Como Citar
1.
Passarelli B. JOVENS BRASILEIROS EM CONECTIVIDADE CONTÍNUA: ESTUDOS E TENDÊNCIAS. Juventude e Políticas Públicas [Internet]. 27º de janeiro de 2020 [citado 24º de junho de 2021];2(EE):1-16. Disponível em: https://revistasnj.mdh.gov.br/index.php/snj/article/view/125