ESCOLA SEM PARTIDO: JUVENTUDE, MEDO, VIOLÊNCIA E VULNERABILIDADES

  • Fátima Modesto de Oliveira Universidade Federal de São Paulo

Resumo

Observação do discurso que é moldado por relações de poder, ideologias, etnocentrismo e alteridades que permeiam o imaginário social, seus efeitos e entrelaçamentos nos âmbitos educacionais, nos direitos humanos e em populações que habitam territórios vulneráveis a partir da existência de um projeto de lei que propõe uma “Escola sem Partido”, tendo como pano de fundo um contexto que envolve algumas persistências e reconfigurações de um estado de exceção na contemporaneidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Estado de exceção. São Paulo: Boitempo, 2004.

AGAMBEN, Giorgio; BURIGO, Henrique. Homo sacer, o poder soberano e a vida nua I. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2007.

AGAMBEN, Giorgio. Infância e história: destruição da experiência e origem da história. Belo Horizonte: UFMG. 2008.

AGAMBEN, Giorgio.O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Santa Catarina: Editora Argos, 2009.

ALGEBAILE, Eveline Bertino. Escola pública e pobreza no Brasil: a ampliação para menos. Rio de Janeiro: FAPERJ, 2009.

ALMEIDA, Angela Mendes de et al. Pensando a família no Brasil: da colônia à modernidade. Rio de janeiro: Espaço e tempo, 1987.

______. Estado autoritário e violência institucional. In: 28º CONGRESSO INTERNACIONAL DA LASA (LATIN AMERICAN STUDIES ASSOCIATION), Montreal. 2007.

AUGUSTO, Acácio. Para além da prisão-prédio: as periferias como campos de concentração a céu aberto. Cadernos Metrópole, v. 12, n. 23, 2010.
CHARLOT, Bernard. A Mistificação pedagógica; realidades sociais e processos ideológicos na teoria da educação. Revista Brasileira de Educação. v. 11. n. 31. Jan./Abr., 2006.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREYRE, Gilberto. Sobrados e Mucambos: Decadência do patriarcado rural e desenvolvimento do urbano. 3. ed. Rio de janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1961.

______. Casa Grande e Senzala. 42. ed. Rio de Janeiro: Record, 2001.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes, 2002.

______. O corpo utópico, as heterotopias. São Paulo: n-1 edições, 2013.

______. Segurança, território, população. São Paulo: Martins Fontes, 2008a.

______. Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008b.

FUKS, Betty Bernardo. Freud e a cultura. 3. ed. Rio de janeiro: Zahar, 2011.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. 26. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

KARAM, Maria Lúcia. Pela abolição do sistema penal. Curso livre de abolicionismo penal. Rio de Janeiro: Revan, p. 69-107, 2012.

MARTINS, José de Souza. O poder do atraso: ensaios de sociologia da história lenta. São Paulo: Hucitec, 1999.

OLIVEIRA, Salete. Linguagem-fronteira e linguagem-percurso. Curso livre de abolicionismo penal. Rio de Janeiro: Revan, 2012.

PINHEIRO, Paulo Sérgio. Continuidade autoritária e construção da democracia: Relatório final. Continuidade autoritária e construção da democracia: Relatório final, 1999.

TELES, Edson; SAFATLE, Vladimir Pinheiro. O que resta da ditadura: a exceção brasileira. São Paulo: Boitempo Editorial, 2010.

VELHO, Gilberto. Família e subjetividade. In: ALMEIDA, Angela M. Pensando a família no Brasil. Da colônia a modernidade. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo, Editora UFRJ, 1987.

WACQUANT, Loic. Punir os pobres: a nova gestão da miséria nos Estados Unidos. Coleção Cadernos Criminológicos, n. 6, 2003.

WACQUANT, Loϊc. As duas faces do gueto. São Paulo: Boitempo, 2008.
Publicado
2018-04-29
Como Citar
Oliveira, F. M. de. (2018). ESCOLA SEM PARTIDO: JUVENTUDE, MEDO, VIOLÊNCIA E VULNERABILIDADES. Revista Juventude E Políticas Públicas, 2(ne), 14-24. https://doi.org/10.22477/2525-7161.2018.2ne.14-24