O PROTAGONISMO JUVENIL NA ERA DIGITAL

  • Marcela Lorenzoni da Rocha Rabin Pontifícia Universidade Católica do Paraná
  • Lilian Bacich Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Adolescente. Rede social. Ensino médio

Resumo

Como o protagonismo estudantil se estrutura no século XXI por meio das redes sociais? Esse questionamento surge no contexto das ocupações de escolas públicas por estudantes secundaristas de todo o Brasil entre 2015 e 2016 - movimento que se organizou e foi divulgado primordialmente pela internet e que motivou a presente pesquisa. Para executá-la, foi realizada uma pesquisa de cunho exploratório e entrevistas qualitativas com estudantes de diversas regiões do país; paralelamente, buscou-se compreender a evolução do protagonismo estudantil brasileiro, as formas de comunicação e ativismo dos nativos digitais e, por fim, os caminhos a serem adotados pela educação brasileira para permitir uma escola mais democrática. Concluiu-se que os ambientes digitais, ainda que de maneira informal, permitem a capacitação do jovem por meio do acesso à informação e interatividade - e, consequentemente, oferecem uma plataforma de ação na qual jovens brasileiros escolhem e defendem suas causas; além disso, o papel da escola é fundamental ao absorver esses aprendizados e trabalhar de forma inovadora com as redes sociais já familiares a seus estudantes, nutrindo uma comunidade escolar mais engajada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABRAMOVAY, Miriam (Coord.). Escolas inovadoras: experiências bem-sucedidas em escolas públicas. Brasília: UNESCO, 2003.

ABRANTES, Talita. O mapa das ocupações de escolas e faculdades contra Temer. Disponível em . Acesso em: 30 jul. 2017.

AMDOCS. Amdocs survey: Teenagers have a digital lifestyle that service providers should adjust to. Disponível em . Acesso em: 18 jun. 2017.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente, 13. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, 2015. Disponível em: < file:///C:/Users/priscilars/Downloads/estatuto_crianca_adolescente_13ed.pdf>. Acesso em: 18 jul. 2017.

BUCKINGHAM, David. Cultura Digital, educação midiática e o lugar da escolarização. Porto Alegre: Educ. Real, 2010.

CASTELLS, M. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 2013.

CERVO, Amado L.; BERVIAN,. Pedro A.; SILVA, Roberto da. Metodologia científica. 6. ed. São Paulo Pearson Prentice, 2007.

CHARLOT, Bernard. O professor na sociedade contemporânea: um trabalhador da contradição. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 17, n. 30, p. 17-31, jul./dez., 2008.

COSTA, A. C. G. Protagonismo Juvenil: O que é e como praticá-lo. Belo Horizonte: UFMG, 2001.

ESCÁMEZ, J.; GIL, R. O Protagonismo na educação. Porto Alegre: Artmed, 2003.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

HERMES, Joke. Citizenship in the Age of the Internet. European Journal of Communication, v. 21, n. 3, p. 295-309, 2006.

KATZ, Jon. The digital citizen. Wired Magazine Group, Incorporated, 1997.
MARCONI, M. A., LAKATOS, E. A., Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Editora Atlas, 2003.

MELÃO, Dulce Helena. Da página ao (s) ecrã (s): tecnologia, educação e cidadania digital no século XXI. Educação, Formação & Tecnologias, v. 4, n. 2, p. 89-107, 2012. Disponível em: . Acesso em: 5 maio 2017.

OSHIMA, F. Y, O Legado das ocupações nas escolas. Disponível em: . Acesso em: 30 jul. 2017.

PASSARELLI, B., JUNQUEIRA, A. H, ANGELUCCI, A. C. B. Os nativos digitais no Brasil e seus comportamentos diante das telas. São Paulo: Matrizes, 2014.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL. O jovem brasileiro e o futuro do país. Porto Alegre: Núcleo de Tendências e Pesquisa, 2016.

PORVIR, Nossa escola em (Re)Construção - Relatório de resultados. Outubro, 2016.

PRENSKY, Marc. Digital Natives, Digital Immigrants. MBC University Press: 2001.

SEBASTIÃO, S., PACHECO, A., SANTOS, M. Cidadania Digital e Participação Política: o caso das petições online e do orçamento participativo. Universidade Técnica de Lisboa: Portugal, 2012.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 23ª Edição. Cortez Editora: São Paulo, 2010.

SOFIATI, F. M, A juventude no Brasil: história e organização. Paris-FRA: APEB-Fr, 2008.

SOUZA, R. Protagonismo juvenil: o discurso da juventude sem voz. USP: São Paulo, 2009.

UNESCO. Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Representação no Brasil. Políticas públicas de/para/com juventudes. 2. imp. Brasília: UNESCO, 2005.

UNFPA, O poder de 1,8 bilhão - Adolescentes, jovens e a transformação do mundo. In: Situação da População Mundial 2014.

ZIBAS, Dagmar ML; FERRETTI, J.; TARTUCE, Gisela Lobo BP. Micropolítica escolar e estratégias para o desenvolvimento do protagonismo juvenil. Cadernos de pesquisa, v. 36, n. 127, p. 51-85, 2006
Publicado
2018-04-29
Como Citar
Rabin, M. L. da R., & Bacich, L. (2018). O PROTAGONISMO JUVENIL NA ERA DIGITAL. Revista Juventude E Políticas Públicas, 2(ne), 40-54. https://doi.org/10.22477/2525-7161.2018.2ne.40-53