JUVENTUDE E POLITICAS PÚBLICAS EM RORAINÓPOLIS: UMA QUESTÃO DE IDENTIDADE

  • Antonio Souza Nascimento Universidade Federal de Roraima
Palavras-chave: Políticas públicas, Jovens rurais, Identidade, Mobilidade

Resumo

Além de outros atributos, o papel fundamental que norteia o eixo executor das políticas públicas é também a afirmação continua da identidade do grupo para a qual é direcionada. Compreende-se o grau de importância que as políticas públicas têm para a região amazônica, englobando sua mega diversidade; por outro lado, entende-se também que essas políticas não podem ser pautadas em grandiosos projetos sem que não haja uma interação direta com o público alvo. Partindo dessa premissa, acredita-se que as políticas públicas se tornam mais eficientes quando estruturadas dentro de uma metodologia que parta do especifico para o geral. É nessa perspectiva que surge a inquietação de pensar as políticas públicas de maneira mais especificas, direcionada para grupos específicos, o que transmite uma percepção mais coerente, com uma possibilidade mais plausível de atingir seus objetivos. Uma das consequências, quando as políticas públicas conseguem atingir diretamente seus objetivos, é gerar uma continuidade afirmativa da identidade do grupo atingido por elas, e a juventude rural é um desses grupos. A falta de tais políticas contribui para a migração desta juventude em direção à cidade, onde muitos deles acabam reconfigurando sua identidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Souza Nascimento, Universidade Federal de Roraima
Formado em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Roraima, aluno do Mestrado Sociedade e Fronteira, ofertado pela UFRR e bolsista CAPES. Professor Substituto pelo Departamento de Ciências Sociais da UFRR.

Referências

BRENNER, A. K.; DAYRELL, J.; CARRANO, P. Culturas do lazer e do tempo livre dos jovens brasileiros. In: ABRAMO, H. W.; BRANCO, P. P. M. (Org.). Retratos da juventude brasileira: análise de uma pesquisa nacional. Ed. Perseu Abramo, 2005.

CARNEIRO, M. J. O ideal rurbano: campo e cidade no imaginário de jovens rurais. In: TEIXEIRA DA SILVA, F.C.; SANTOS, R.; COSTA, L.F.C. (orgs.) Mundo Rural e Política. Rio de Janeiro. Ed. Campus/Pronex, 1998. p. 1 – 27.

______. Juventude rural: projetos e valores. In: ABRAMO, H. W. & BRANCO, P. P. M. (Org.) Retratos da Juventude Brasileira: Análises de uma pesquisa nacional. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2003. p. 243-261.

______. Introdução. In: MOREIRA, R. J. (Org.). Identidades sociais: ruralidades no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: DP&A, 2005. p. 9-14.

CASTRO, E. G. Sonhos, desejos e a “realidade”: herança, educação e trabalho de ‘jovens rurais’ da Baixada Fluminense /RJ. In: Simpósio Internacional de Juventude Brasileira- JUBRA, Rio de Janeiro, p. 1 – 49, out /2004.

______. Entre Ficar e Sair: uma etnografia da construção social da categoria jovem rural. 2005. Tese. 444 p. (Doutorado em Antropologia Social) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

______. Juventude rural no Brasil: processos de exclusão e a construção de um ator político. In: Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud, v. 7, n. 1, p. 179-208, enero -junio, 2009.

DALCIN, D.; TROIAN, A. Jovem no meio rural a dicotomia entre sair e permanecer: um estudo de caso. In: I Seminário Nacional Sociologia e Política, 2009, Paraná. p. 1 – 20.

DAYRELL, J. T.; GOMES, N. L. A juventude no Brasil. http://www.cmjbh.com.br/arq_Artigos/SESI%20JUVENTUDE%20NO%20BRASIL.pdfpesquisado em 18 de fevereiro de 2011.

DURSTON, John. Juventud rural excluída em America Latina reducindo La invisibilidad. XXI Congresso Latino Americano de Sociologia. São Paulo, 1997.

______. Juventude Rural, Modernidade e Democracia: Desafio para os Noventa. In: Série Documentos Temáticos. Juventude e Desenvolvimento Rural no Cone Sul Latinoamericano.. 1994.

FAVARETO, A. da S. A longa evolução da relação rural-urbano – para alem de uma abordagem normativa do desenvlvimento rural. In: Ruris: Revista do Centro de Estudos Rurais / Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Vol. 1, n. 1 (2007). Campinas: Unicamp/IFCH, 2007. p. 157-190.

GUIGOU, J. Problema de uma sociologia da juventude rural. In: BRITTO, S. de. (Org.). Sociologia da juventude II. Rio de Janeiro, Zahar, 1968. (p. 73 a 88).

IBGE. Contagem da população 1996. Pesquisado em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/contagem/default.shtm. Data: 10 de out. 2011.

______. Censo Demográfico 2000. Pesquisado em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2000/universo.php?tipo=31o/tabela13_1.shtm&paginaatual=1&uf=14&letra=R. Data: 10 de out. 2011.

______. Senso demográfico de 2010. Rio de Janeiro, 2011. Pesquisado em 10 de fev. de 2012.

LEVI, G.; SCHMITT, J. C. História dos Jovens. São Paulo, Companhia das Letras, 1996.

LOPES, W. J. F. As representações sociais dos jovens do campo, acerca de suas escolas. 2008. 146. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2008.

MARTINS, M. Relações de gênero e geração em um assentamento rural de reforma agrária: Sociabilidade e poder. Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder. Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008. p. 1 a 6.

MEIRELES NETO, P. R. A juventude como sujeito social: In: Elementos para uma problematização. Revista Pesquisa em Foco: Educação e Filosofia. v. 2, n. 2, p. 1-6, abril de 2009.

MENEZES, M. A. Redes e enredos nas trilhas dos migrantes: um estudo de famílias de camponeses-migrantes. Rio de Janeiro Ed.: Relume Dumará. João Pessoa, PB; EDUFBA, 2002.

MIGRAÇÕES. Produção de José Roberto P. Novaes. São Paulo: 2007. 1 DVD (27 min.) CD, sonoro, colorido. Idioma português.

ROSAS, E. N. L. Rapazes da roça na cidade grande: trabalho, sociabilidade e projetos. 2006. p. 92. Dissertação (Mestrado de Ciências Sociais) - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

PEREIRA, R. A. L. Rural de Mato Grosso: mudanças sociais e a organização da população no campo. 2005. 110 p. Dissertação (Mestrado em Demografia) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005.

PESSOA, J. de M. Educação e Ruralidades: por um olhar pesquisante plural. Texto apresentado na Sessão especial “políticas públicas para a educação do campo” na 29ª Reunião Anual da ANPEd, realizada em Caxambu – MG, de 15 a 19 de outubro de 2006.

PONTE, K. F. da. (Re) Pensando o Conceito do Rural. In: Revista Nera - ano 7, n. 4 – jan/jul de 2004.

SOLARES, C. J. Lo rural y lo urbano: uma reflexión em torno a su definición. In: Avances de investigacion. Universidad Autónoma de Chapingo. Sociologia Rural, nº1, p. 5-28.Chapingo, p. 5-28, 1998.

STROPASOLAS, V. L. O mundo rural no horizonte dos jovens: o caso dos filhos de agricultores familiares de Ouro/SC. Florianópolis. Ed.UFSC.2006.

SUSTAITA, E. Juventude rural nos países em desenvolvimento e em vias de desenvolvimento. In: BRITTO, S. de. (Org.). Sociologia da juventude II. Rio de Janeiro, Zahar, 1968. (p. 205 a 224).

WANDERLEY, M. N. B. A emergência de uma nova ruralidade nas sociedades modernas avançadas – o “rural” como espaço singular e ator coletivo. In: Estudos Sociedade e Agricultura, n. 15, p. 87-145, out.2000.

WEISHEIMER, N. Os jovens agricultores e seus projetos profissionais: um estudo de caso no bairro Escadinhas, Feliz / RS. 2004. 215 p. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2004.

__________. Juventudes rurais: mapa de estudos recentes. Brasília: MDA/ NEAD. 2005.

Publicado
2014-12-14
Como Citar
1.
Nascimento AS. JUVENTUDE E POLITICAS PÚBLICAS EM RORAINÓPOLIS: UMA QUESTÃO DE IDENTIDADE. Juventude e Políticas Públicas [Internet]. 14º de dezembro de 2014 [citado 1º de dezembro de 2020];1(1). Disponível em: https://revistasnj.mdh.gov.br/index.php/snj/article/view/ANTONIO%20NASCIMENTO