A PROFISSIONALIZAÇÃO ARTÍSTICA DE JOVENS EM SALVADOR/BAHIA: TENSÕES ENTRE MERCADOS E POLÍTICAS CULTURAIS E EDUCACIONAIS

  • Ivan Faria Universidade Federal de Minas Gerais / Universidade Estadual de Feira de Santana
Palavras-chave: formação artística, trabalho artístico, juventude

Resumo

O presente artigo analisa as condições e possibilidades de formação profissional na área artística na Bahia, bem como aponta alguns desafios enfrentados por estudantes e egressos de instituições educativas ligados ao mundo das artes. O trabalho caracteriza o cenário da oferta de projetos sociais e cursos de educação profissional e de políticas públicas para o setor, articulando-o ao complexo campo da inserção profissional e do trabalho no mundo das artes. Os dados mostram que o setor é marcado pela incerteza, sendo bem menos organizado e formalizado do que outras áreas técnicas. A transição para o mundo do trabalho apresenta tensões relacionadas à remuneração, à informalidade e à flexibilidade necessárias para transitar no mercado cultural. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ivan Faria, Universidade Federal de Minas Gerais / Universidade Estadual de Feira de Santana
Sou professor assistente do Depto de Educação da Universidade Estadual de Feira de Santana e doutorando em Educação pela Universidade Federal de Minas.  Também integro os grupos de pesquisa Observatório da Juventude (UFMG) e do TRACE (UEFS).

Referências

ALBERTO, Maria Angélica; BORGES, Vera. Vocação, formação e mercado de trabalho no teatro: estudo comparativo entre Brasil e Portugal. In GOMES, A. C. et al. Organização social do trabalho e associativismo no contexto da mundialização: estudos em Portugal, África e Amazônia. Belém: UFPA, 2010.

AZEREDO, Beatriz; NOGUEIRA, Ângela. O mapa da expressão. Onda Jovem, a.7, n.21, p. 28-31, fev. 2011.

BAHIA, 2013. Secretaria de Educação da Bahia. Educação Profissional. Disponível em: < http://escolas.educacao.ba.gov.br/educacaoprofissional/ >. Acesso em: 20 mar 2014.

BARBOSA, Frederico; ARAÚJO, Herton. Juventude e cultura. In: CASTRO, Jorge Abrahão de; AQUINO, Luseni Maria C. de; ANDRADE, Carla Coelho de (Org.). Juventude e políticas sociais no Brasil. Brasília: Ipea, 2009. p. 221-242.

BECKER, H. Mundos artísticos e tipos sociais. In: VELHO, Gilberto (org.). Arte e sociedade: ensaios de sociologia da arte. Rio de Janeiro: Zahar, 1977. p.9-26.

BORGES, Vera. A arte como profissão e trabalho: Pierre-Michel Menger e a sociologia das artes. Rev. Crítica de Ciências Sociais, n.67, p.129-134, dez 2003.

______ . Trabalho, género, idade e arte: estudos empíricos sobre o teatro e a dança. E-cadernos CES, v.10, 2011, p. 110-127. Disponível em: < http://www.ces.uc.pt/e-cadernos/media/ecadernos10/5%20-%20Vera%20Borges.pdf >. Acesso em: 15 out 2013.

BRASIL. Ministério da Cultura. Oito anos de cultura: as políticas do Ministério da Cultura de 2003 a 2010. Brasília: Minc, 2010.

CORROCHANO, Maria Carla; NAKANO, Marilena. Jovens e trabalho. In: SPOSITO, Marilia (coord.) O estado da arte sobre juventude na pós graduação brasileira: educação, serviço social e Ciências Sociais (1999-2006). Belo Horizonte: Ed. Argumentum, 2009.

COELHO, Teixeira. Entrar na crise da cultura e enxergar a próxima crise. In: REIS, Affonso et al. A cultura na crise. Recife: Fund Joaquim Nabuco/Massangana, 2010.

DAYRELL, Juarez. A música entra em cena: o rap e o funk na socialização da juventude, Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005.

DIEESE. A Situação do trabalho no Brasil na primeira década dos anos 2000. São Paulo: DIEESE, 2012.

FERNANDES, A. M. D. et al. Arte, educação e projetos de intervenção social no Rio de Janeiro. Revista do Departamento de Psicologia – UFF, Niterói, v. 16, n. 2, p. 29-44, jul./dez. 2004.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A contradição aparente entre a falta e a sobra de jovens trabalhadores qualificados no Brasil. In: FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M.; RAMOS, M. (Org.). Novas e antigas faces do trabalho e da educação. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2008. v. 1, p. 145-162.

GOMES, Juliana Neves Simões. Capital corpo: Mercado de trabalho, discurso e forma artística da dança. 32ª Encontro Anual da ANPOCS, 2008, Caxambu. Anais..., Rio de Janeiro: ANPOCS, 2008.

LIMA, Ari. Funkeiros, timbaleiros e pagodeiros: notas sobre juventude e música negra na cidade de Salvador. Caderno Cedes, Campinas, v. 22, n. 57, p. 77-96, ago. 2002.

MARIANO, Agnes. A invenção da baianidade. São Paulo: AnnaBlume, 2009.

MEC. Sistema Nacional de Informações da Educação Profissional e Tecnológica – SISTEC. 2011. Disponível em: < http://redefederal.mec.gov.br/index.php?option=com_ content&view=article&id=52&Itemid=2 > Acesso: 10 out 2013.

NASCIMENTO, Aurélio Eduardo do. Fazer arte entre jovens: escolha, formação e exercício profissional. 2005. 196 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Fac. de Ciências Sociais, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2005.

NUSSBAUMER, Gisele M. . Cultura e Políticas para as artes. In: RUBIM, A; ROCHA, R. (Org.). Políticas culturais. Salvador: EDUFBA, 2012, p. 89-111.

OLIVEIRA, Ramon de. Possibilidades do Ensino Médio Integrado diante do financiamento público da educação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.35, n.1, p. 51-66, jan./abr. 2009.

REIS, Cacilda F. dos. Sonhos, incertezas e realizações: as trajetórias de músicos e dançarinos afro-brasileiros no Brasil e na França. 2012. 290 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 2012.

RODRIGUES, Fernando de Jesus. Os ritmistas e a cidade: sobre o processo de formação da música baiana contemporânea orientada para a diversão. 2006. 153 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Instituto de Ciências Sociais, Universidade de Brasília, Brasília, 2006.

SECRETARIA NACIONAL DA JUVENTUDE. Pesquisa de opinião pública - Agenda Juventude Brasil – 2013. Disponível em: < http://www.ipea.gov.br/participacao /images/pdfs/participacao/pesquisa%20perfil%20da%20juventude%20snj.pdf >. Acesso em 23 out 2013.

SILVA, Frederico A. Barbosa da; ARAÚJO, Herton Ellery (Org.). Cultura viva: avaliação do programa Arte, Educação e Cidadania. Brasília: Ipea, 2010.

VILUTIS, Luana. Ação agente cultura viva: contribuições para uma política cultural de juventude. In: BARBOSA, Frederico; CALABRE, Lia (Org.). Pontos de cultura: olhares sobre o Programa Cultura Viva. Brasília: Ipea, 2011. p. 111-138.

Publicado
2014-12-16
Como Citar
1.
Faria I. A PROFISSIONALIZAÇÃO ARTÍSTICA DE JOVENS EM SALVADOR/BAHIA: TENSÕES ENTRE MERCADOS E POLÍTICAS CULTURAIS E EDUCACIONAIS. Juventude e Políticas Públicas [Internet]. 16º de dezembro de 2014 [citado 1º de dezembro de 2020];1(1). Disponível em: https://revistasnj.mdh.gov.br/index.php/snj/article/view/IVAN%20FARIA